Área Restrita
Newsletter
Terça-Feira, 23 de Setembro de 2014
Notícias
tamanho fonte 12fonte 14fonte 16
Manifestação de rodoviários deixa fluxo de ônibus lento em Porto Alegre
Manifestação de rodoviários deixa fluxo de ônibus lento em Porto Alegre
Ônibus trafegam com velocidade baixa nos corredores e formam filas. Foto: Marcos Pacheco/RBS TV

Começou por volta das 8h30 a manifestação dos rodoviários de Porto Alegre. Em assembleia na terça-feira (14), eles decidiram colocar em prática a "operação tartaruga", que afeta a circulação de ônibus. Os coletivos devem trafegar entre 30 km/h e 40 km/h, segundo o sindicato da categoria. Antes do horário os veículos trafegaram normalmente.

A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) acompanha a movimentação nas ruas desde as primeiras horas da manhã. Os principais pontos com congestionamento em corredores de ônibus foram registrados na Avenida Osvaldo Aranha e na Avenida Farrapos às 8h40. O trânsito também ficou lento no Túnel da Conceição e na Paulo Gama, no sentido bairro-centro.

Os rodoviários pedem reajuste salarial de 14%, aumento de R$ 4 no vale-alimentação e a manutenção do plano de saúde, entre outras reivindicações. Segundo o presidente do sindicato, as negociações com as empresas de transporte não evoluíram. “Eles (empresas) não avançaram em nada no dissídio, nada no tíquete e nada no plano de saúde. Esperamos que a partir de agora eles nos chamem para negociar”, disse Júlio Gamaliel.

Ele também salienta que, caso a negociação com o sindicato patronal não evolua, a categoria pode deflagrar greve na próxima assembleia, em data a ser marcada. Na segunda-feira (13), o sindicato comunicou ao Ministério Público do Trabalho (MPT) a possibilidade de paralisação, conforme determina a lei. 

Em nota, o Sindicato das Empresas de Ônibus de Porto Alegre (Seopa) diz que propôs aos rodoviários a reposição integral da inflação medida pelo INPC (IBGE), cujo índice definitivo deverá ser publicado até meados de fevereiro. A entidade patronal diz ainda que também propôs renovar as demais cláusulas da convenção coletiva vigente como vale-alimentação, passe livre gratuito, quinquênio e garantia da função de cobrador, além de mantar o subsídio do plano de saúde.

Dependendo da adesão dos rodoviários ao movimento, a EPTC promete tomar providências para evitar maiores transtornos para passageiros dos ônibus, motoristas e pedestres.



Fonte: G1 - 16/01/2014
imprimir Outros Enviar para um amigo