Notícia - Sindicato dos Metroviários: 40 anos de lutas e conquistas

Foi em 24 de agosto de 1981 que os metroviários receberam do governo federal a Carta Sindical, que conferiu à entidade já organizada o poder de representação legal da categoria, passando esta a se chamar Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Metroviários de São Paulo. O aniversário do Sindicato é marcado pela concessão da Carta Sindical pelo Ministério do Trabalho e homologação do estatuto do Sindicato nesta data.

VÁRIAS DATAS FAZEM PARTE DESTA HISTÓRIA

A necessidade dos metroviários se organizarem é bem antiga,  começou com a criação do Metrô Clube, no dia 25 de fevereiro de 1970. Tendo em vista que a Cia. foi constituída em abril de 1968, e que as obras para a construção da Linha 1 – Azul começaram em dezembro do mesmo ano.

Em 26 de novembro de 1975 foi criada a Associação dos Empregados do Metrô de São Paulo (Aemesp), que já representava a categoria diante da empresa e governo do estado, inclusive nas negociações salariais, embora ainda não fosse legalmente reconhecida como tal. Só em 9 de janeiro de 1981, a DRT registrou a Aemesp como Associação Profissional dos Trabalhadores em Empresas de Transporte Metroviário de São Paulo.

Em 29 de janeiro de 1981, foi realizada a primeira assembleia para deliberar sobre o processo de transformação da Associação em Sindicato. O passo seguinte foi convocar uma assembleia para eleger uma diretoria provisória do Sindicato e adaptar os estatutos às exigências do Ministério do Trabalho. A documentação com essas decisões foi remetida a Brasília para que a Carta sindical fosse emitida.

No dia 24 de agosto, o ministro do Trabalho, Murillo Macedo, homologou os estatutos. Em 9 setembro de 1981, a categoria deflagrou, em assembleia além da “luta por melhores condições de trabalho” a necessidade da realização de uma eleição para constituir uma nova diretoria que substituiria a direção provisória do Sindicato.

O processo eleitoral começou com uma convenção, realizada no dia 29 de setembro, quando aproximadamente 300 metroviários escolheram os integrantes da chapa unitária, chamada Avançar a Luta, encabeçada por Paulo Otávio de Azevedo Jr, o Azevedo, anteriormente presidente da Aemesp como também grande parte dos metroviários integrantes da chapa para a nova diretoria. A eleição ocorreu entre os dias 15 e 17 de dezembro de 1981 e a diretoria foi eleita com a participação de 1.859 votantes. Isso correspondia a 77% do colégio eleitoral.

Nesta época o Sindicato já ostentava seu  logotipo, que atualmente foi modernizado. A escolha foi resultado de um concurso do qual saiu vencedor o metroviário Marivaldo Feitosa Pimentel, do MTM/GMT (37). “A marca sugerida para o Sindicato foi baseada tendo-se em mente as características daquela já usada pela Companhia. Sua dependência foi proposital, com o intuito de tornar a identificação rápida e objetiva. A única alteração foi na parte superior com a transformação da seta em uma mão segurando a própria seta, com os dedos centrais dando a ideia da letra ‘M’. A marca sugere a união, a força e a comunicação entre as pessoas que vivem o dia-a-dia em torno de um ideal comum”, foi sua explicação para a proposta.

No entanto, o Sindicato só se formalizou no dia 10 de dezembro de 1981, quando foi recebida das mãos de Murillo Macedo a Carta sindical, numa solenidade na DRT.


Fonte:  Sindicato dos Metroviários de São Paulo - 26/08/2021


Comentários