Notícia - Trabalhadores latino-americanos de eletrônicos buscam sindicalizar a cadeia de suprimentos

Durante a reunião que foi realizada virtualmente, foi discutida sobre a indústria de eletrônicos e a sindicalização dos trabalhadores mundial e regionalmente. 

O diretor da IndustriALL para o setor eletrônico, Kan Matsuzaki, assegurou  que a tendência é que 60% das 20 maiores empresas que dominam o mercado tenham uma densidade sindical muito baixa ou inexistente.

Kan mencionou que os países asiáticos onde são fabricados produtos eletrônicos não ratificam a liberdade de associação e negociação coletiva. Portanto, os países latino-americanos têm que competir contra um mercado onde não respeitam os direitos dos trabalhadores.

Ao mesmo tempo, as 10 principais empresas de fabricação de produtos eletrônicos (como Foxconn e Pegatron) empregam cerca de um milhão de trabalhadores e têm uma densidade sindical muito baixa. A IndustriALL está tratando que os trabalhadores se organizem.

Os dirigentes sindicais dos países que participaram da reunião falaram sobre a situação nas respectivas localidades. 

Maria Rosângela Lopes, da CNM/CUT, disse que as empresas como Foxconn, Hitachi, Fenex, Inatel e Intelbras, onde é realizado um trabalho permanente de sindicalização.

“O problema é que muitas dessas empresas relutam em negociar um acordo coletivo com os sindicatos. Eles não querem ter um acordo único, preferem ter acordos isolados para vale-refeição, outro para horas trabalhadas, mas não querem negociar questões como reajustes salariais, apesar dos rendimentos que têm ”.

Dirigentes sindicais do México relatam que muitas empresas do setor terceirizam seus trabalhadores, o que acarreta em empregos precários e que não podem se organizar em sindicatos.

No encontro foi discutida a mudança de paradigma pelas quais muitas empresas do setor estão passando. Por exemplo, na Siemens, que tem uma divisão de energia que se classifica como subproduto da empresa. Embora a IndustriALL tenha um acordo global com a empresa, não cobre o setor de energia. Foi concordado que é muito importante desenvolver uma estratégia de cadeia de suprimentos para organizar os trabalhadores.

A secretária regional adjunta da IndustriALL, Laura Carter disse:

“Mais de 90% é produzido por trabalhadores das cadeias produtivas. Se não os entendemos bem, é muito difícil defender os trabalhadores. Temos que apoiar o trabalho decente nas cadeias de abastecimento. As empresas têm que saber quais são os riscos e respeitar os direitos dos seus trabalhadores. ”

Por fim, os trabalhadores concordaram que vão promover a construção de redes sindicais por empresas dos subsetores. Por sua vez, eles vão mapear as empresas do setor para ver onde e como sindicalizar os trabalhadores nas cadeias produtivas. Além disso, eles vão desenvolver um seminário sobre como desenvolver ações sindicais para empresas fabricantes de eletroeletrônicos para grandes marcas do setor eletroeletrônico.


Fonte:  IndustriALL - 12/07/2021


Comentários