Notícia - Rejeição à reforma da Previdência marca 1º ato sindical unificado em SP

Um abaixo assinado contra o projeto é passado entre os presentes com o objetivo de conseguir um milhão de assinaturas. As centrais prometem se mobilizar contra a votação do projeto na Comissão Especial da Câmara dos Deputados, prevista para junho. Além de discursos políticos, o ato prevê apresentações musicais, que começaram por volta das 10h, com o grupo Mistura Popular.

O deputado federal Paulinho da Força, da Força Sindical, disse que a unificação do ato é resultado do atual cenário político vivido pelo país. E também das dificuldades vividas pelas centrais. “É um ato histórico, que vai nos dar força” afirmou ao jornal O Globo.

WhatsApp Image 2019-05-01 at 3.57.24 PMCrédito: Jaélcio Santana



Bolsonaro foi o fator que uniu as centrais nesse ato. Segundo Wagner Freitas, presidente nacional da CUT, “Estamos unidos contra a perda dos direitos dos trabalhadores na hora da aposentadoria e queremos a volta do crescimento da economia para que os brasileiros tenham empregos decentes”.

A União Geral dos Trabalhadores (UGT) também aderiu ao ato, embora tenha uma posição diferente das demais centrais sobre a reforma da Previdência. A entidade é favorável à reforma, mas não a que está tramitando no Congresso. O presidente da UGT, Ricardo Patah, afirmou que a central defende uma reforma transparente, com gestão eficiente e equidade entre todos os trabalhadores. “Não queremos aposentadorias de R$ 40 mil enquanto outros vão ganhar o salário mínimo. Queremos uma reforma que traga equidade”, disse Patah.

Ele afirmou ainda que as decisões do governo, como a MP 873, visam sufocar o movimento sindical brasileiro e que obrigar os sindicatos a fazer cobranças via boleto, impedindo o desconto no contracheque, é uma forma de “fechar as portas” das entidades. Além disso, diz Patah, o desemprego gritante e a alta informalidade do trabalho impedem a inclusão social de uma multidão de brasileiros.

Participam do ato, além da CUT e da Força Sindical, a CTB, UGT, Intersindical, CSB, CGTB, Nova Central, CSP-Conlutas, da Frente Brasil Popular e Frente Povo Sem Medo. Também estão presentes representantes de partidos de esquerda com PT, PSOL e PSTU.


Fonte:  força sindical - 02/05/2019


Comentários