Buscar
Cadastro Newsletter
Redes Sociais
Acesso aos Editais

Skip Navigation LinksHome > Lista de Notícias > Notícia
Notícia - Centrais dão demonstração de unidade
Centrais dão demonstração de unidade

As seis centrais sindicais, Força Sindical, CSB, CTB, CUT, NCST e UGT, darão, hoje, 26, uma demonstração de unidade na defesa do emprego e pela garantia dos direitos dos trabalhadores durante a “Assembleia Nacional dos(as) Trabalhadores(as) pelo Emprego e Garantia dos Direitos”, que realizarão, a partir das 11 horas, no Espaço Hakka, em São Paulo. Eles vão se posicionar contra a ação das forças conservadoras que defendem, por exemplo, jornada de 80 horas semanais, e querem a volta da escravidão no Brasil.



“Hoje vivemos uma situação de calamidade, com doze milhões de desempregados. Não bastasse esta grave situação, existe uma forte tentativa de desmonte das políticas de inclusão social que estão na Constituição de 1988, e de outras conquistadas anteriormente, com muita luta, pelos trabalhadores, como a aposentadoria por tempo de contribuição”, declara Paulo Pereira da Silva, Paulinho, presidente da Força Sindical. “Os trabalhadores só vencerão esta luta unidos, e esta assembleia que vamos realizar hoje é apenas o primeiro passo”, completa Paulinho.



“Vamos lutar para que sejam criadas no País condições para a volta do crescimento econômico. Só com uma economia saudável será possível entrarmos num círculo virtuoso de conquista de salários dignos, aumento do consumo e, consequentemente, da produção e das vendas, além da criação de mais empregos de qualidade”, declara João Carlos Gonçalves, Juruna, secretário-geral da Força.


“Queremos alertar, ainda, as forças retrógradas deste País que a queda da participação dos salários na renda nacional, e o aumento de horas trabalhadas, defendido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), pode parecer um ganho para as empresas. No entanto, este período de escuridão deve ficar no passado. Hoje, no mundo moderno, graças às novas tecnologias, sairão ganhando os países que proporcionarem melhor qualidade de vida à população, na qual se incluem salários dignos e políticas sociais”, observa Juruna.


 “É preciso deixar bem claro: sem emprego, as empresas também não aumentam seus ganhos e estacionam, sem obter crescimento. Depois, não adianta ficar reclamando para o governo e pedindo benefícios. O Brasil tem um espaço enorme para crescer no mercado interno e também no externo. Então, já é tempo de o governo mudar sua mentalidade conservadora e passar a praticar políticas que permitam que todas as pessoas ganhem”, destaca Paulinho.



Propostas das Centrais


* Redução da taxa de juros que viabilize a retomada docrescimento industrial;

* Redução da jornada para 40 horas semanais, sem redução de salários;

* Retomada do investimento público e privado em infraestrutura produtiva, social e urbana, ampliando os instrumentos para financiá-la;

* Retomada e ampliação dos investimentos no setor de energia (petróleo, gás e fontes alternativas renováveis, em especial a Petrobrás);

* Destravamento do setor de construção, para garantir a manutenção das atividades produtivas e dos empregos nas empresas do setor;

* Criação de condições para o aumento e a manutenção da produção e das exportações da indústria de transformação;


* Adoção e aprofundamento de políticas que deem sustentação ao setor produtivo, com contrapartidas sociais e ambientais;


* Incentivos às políticas de fortalecimento do mercado interno para incrementar os níveis de produção, consumo, emprego, renda e inclusão social.

Fonte: Assessoria de imprensa da Força Sindical - 26/07/2016
 
Comentários