Buscar
Cadastro Newsletter
Redes Sociais
Acesso aos Editais

Skip Navigation LinksHome > Lista de Notícias > Notícia
Notícia - Trabalhadores da alimentação vão denunciar a JBS ao Ministério Público e entrar com dissídio na Justiça do Trabalho
Trabalhadores da alimentação vão denunciar a JBS ao Ministério Público e entrar com dissídio na Justiça do Trabalho

A data-base da categoria é 1º de Maio e as negociações ocorreram até a Fetiasp (Federação dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação do Estado de São Paulo) e os sindicatos filiados recusarem o reajuste de 6,88% oferecido pela JBS.

 Nas duas unidades, a empresa colocou seguranças dentro dos ônibus para conduzirem os trabalhadores para dentro das unidades, intimidando-os parar eles não participarem das assembleias.

 “Realizamos a assembleia na JBS unidade Jaguariúna e suspendemos, por tempo indeterminado, a greve diante dos fatos ocorridos, inclusive conosco, com seguranças dentro dos ônibus, ameaçando e intimidando trabalhadores. Os ônibus entraram direto com os trabalhadores, não havendo como realizar a assembleia com todos, mas temos consciência e iremos desenvolver novas estratégias e tenham certeza que sairemos fortalecidos ", afirmou Araújo. “A JBS terá resposta à altura, não tenham dúvida”, enfatizou.

Araújo desabafou em sua página no Facebook: “minha avó falava: tudo se ajeita meu neto o mundo dá vorta. Esses dias ouvi em Minas Gerais um dito popular ‘a linha segue a agulha e não o contrário’, portanto nós fazemos as riquezas desse País. Somos nós a força que move esse País e esses inescrupulosos somente retiram seus lucros e exploram a mão de obra até não ter mais o que sangrar e fecham, mandam embora e não tem preocupação com o lado social”.

“JBS dá exemplo de como não se deve tratar seus trabalhadores e nós sindicalistas e trabalhadores unidos vamos ensinar a ela como merecemos ser tratados e o poder que temos”, destacou.

Estão em negociação a Convenção Coletiva de 10 mil trabalhadores das bases dos sindicatos das cidades de Jaguariúna, Amparo, Votuporanga, Nuporanga, Boituva e São José do Rio Preto. 
“A empresa, que é dona de quase todo o setor, travou as negociações. A solução foi mobilizar os trabalhadores nas portas das unidades do grupo JBS. Nas primeiras assembleias foram decretadas greves. Ontem (dia 5) e hoje (dia 6) foram feitas novas assembleias em Amparo e Jaguariúna para ratificar a greve”, declarou Araújo.

Fonte: Assessoria de imprensa da Força Sindical - 07/07/2016
 
Comentários