Notícia - Metalúrgicos decidem hoje se aceitam PDV e pacote proposto pela Volks

A Volkswagen pretende demitir 5 mil em suas quatro plantas no  Brasil, que empregam  15  mil funcionários. Para isso, apresentou proposta de Programa de Demissão Voluntária (PDV) aos Sindicatos da categoria.  

A proposta final é resultado de mais de três semanas de negociação com dirigentes sindicais e inclui até 35 salários extras aos funcionários da área produtiva que aderirem  ao PDV. 

O Plano traz ainda uma série de medidas de redução de benefícios. A empresa propõe não reajustar salários pelo INPC neste ano. Em troca, oferece abono de R$ 6 mil. O limite do índice inflacionário vai diminuindo anualmente até 2023, quando será aplicado o INPC integral.  

Se a proposta for aprovada pelas assembleias, a Volks se compromete a garantir emprego por cinco anos para os que permanecerem no grupo.

Funcionários das quatro unidades, São Bernardo do Campo, Taubaté e São Carlos (SP) e São José dos Pinhais (PR), votam proposta nesta terça. 

“Ante o cenário econômico atual, de alta ociosidade nas fábricas, a proposta de estabilidade de emprego por um período longo é positiva. Mas caberá aos trabalhadores se aceitam ou não”, afirma Wagner Santana, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. 

Caso não alcance o número proposto de adesões ao PDV, a empresa sugere lay-off (suspensão temporária de contrato por até 10 meses). Não haverá progressão salarial por um ano e para novas vagas o salário será 17% menor que o pago atualmente.

Jamil Dávila, secretário-geral do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, explica que a empresa tem excedente de funcionários e quer dispensar devido à queda na demanda.

Segundo o dirigente, a proposta foi negociada de forma exaustiva pra beneficiar quem aderir ao PDV. “Pra quem pretende sair há vantagem econômica grande. E pra quem fica há estabilidade no emprego por cinco anos”, afirma.

 


Fonte:  Agência Sindical - 15/09/2020


Comentários