Notícia - Bancários devem participar de atos em defesa da democracia e dos direitos

“Frente aos atuais ataques contra a democracia, às instituições do Estado, o patrimônio público, ao exercício da liberdade e da cidadania e, principalmente, aos direitos sociais e trabalhistas, defendemos a intensificação da organização e da mobilização da classe trabalhadora na resistência contra a ascensão do pensamento golpista de cunho fascista e do neoliberalismo, que atentam contra as garantias democráticas e sociais.”

Este é o primeiro parágrafo da resolução em “defesa da democracia plena e contra os ataques aos direitos do povo brasileiro”, aprovada pelos delegados e delegadas da 23ª Conferência Nacional dos Bancários, que ocorreu nos dias 3 e 4 de setembro.

O texto lembra que os ataques às pautas territoriais, de gênero, étnicas e trabalhistas são a tônica daqueles que ocupam o poder central da nação, que pregam a naturalização da desigualdade social e da violência como instrumento político. Este pensamento já levou milhões de brasileiros à fome e ao desemprego.

“A cada dia que vamos ao mercado vemos que os preços dos produtos, principalmente dos alimentos, estão mais caros. O dinheiro que antes dava para encher um carrinho de compras, hoje é o que se gasta com as compras emergenciais na mercearia da esquina para, no máximo, alguns dias. Com os remédios acontece a mesma coisa. Mas, o mais grave é que os salários não acompanham as altas de preços e os trabalhadores, a cada reforma, a cada medida do governo, perde mais direitos e mais poder de compra”, observou a presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, Juvandia Moreira, que é uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários. “E não me venha colocar a culpa na pandemia, ou na ‘crise’. Os males que estamos tendo que enfrentar tem suas origens nas políticas implementadas pelo governo Bolsonaro, que beneficia o mercado financeiro e os empresários e prejudica os trabalhadores”, completou.

Este é um dos motivos pelos quais a 23ª Conferência Nacional dos Bancários tirou como uma de suas resoluções a mobilização e engajamento da categoria nos atos em defesa da democracia e dos direitos organizados pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo, junto às Centrais Sindicais contra os desmandos do governo Bolsonaro e tudo o que este representa.

Leia a íntegra das resoluções da 23ª Conferência Nacional dos Bancários

Comunicado da CUT

Neste mesmo sentido, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) emitiu um comunicado sobre as manifestações que acontecerão em 2 de outubro à sua direção nacional, estaduais, ramos e entidades filiadas pedindo para que todos:

  • Priorizem a mobilização e organização dos atos no dia 2 de outubro;
  • Mobilizem nossas categorias nos locais de trabalho;
  • Mobilizem a população nos bairros, terminais de transporte e locais de maior circulação, através do uso de carros de som, realização de mutirões de panfletagem, colagens etc.;
  • Defendam no dia 2 de outubro: Fora Bolsonaro, Impeachment Já! Em defesa da vida, da democracia e da renda do povo! Contra a fome, o desemprego e a carestia! Mais serviços públicos e soberania: contra a Reforma Administrativa (PEC 32) e as Privatizações!;
  • Construam a maior e mais ampla manifestação popular, convidando todas as forças democráticas comprometidas com a luta pelo Fora Bolsonaro! Com liberdade e respeito às bandeiras de luta de todos os movimentos;
  • Realizem plenárias nacional e estaduais de organização e mobilização com nossos sindicatos e ramos;
  • Deem visibilidade às nossas ações e bandeiras nas redes sociais das entidades, dirigentes e militantes;
  • Envolvam todos os setores na luta dos servidores, organizando um novo dia de mobilização e luta;
  • Construam unidade com as frentes e centrais nos estados para organizar os atos conjuntamente e ampliem a mobilização;
  • Garantam a visibilidade da CUT e de nossas bandeiras de luta nos atos (faixas, bandeiras, bonés, balões etc.);
  • Organizem e assegurem a segurança física e sanitária dos participantes com a distribuição de máscaras e álcool gel para os manifestantes e com a montagem de grupos de apoio jurídico e de segurança.

A CUT conclui seu comunicado ressaltando que a classe trabalhadora e o povo brasileiro contam com o máximo empenho de cada dirigente, sindicato e entidade sindical para organizar e realizar uma grande manifestação no dia 2/10, que contribua de forma decisiva para derrotar e retirar Bolsonaro e seu governo do poder.


Fonte:  Contraf-CUT - 24/09/2021


Comentários