Notícia - Luta dos metalúrgicos deve se basear na resistência, apontam especialistas

A pandemia do novo coronavírus no Brasil trouxe novos e velhos desafios para o movimento sindical na luta em defesa da classe trabalhadora, por um mundo mais justo e solidário, inclusive no pós isolamento social.

A crise sanitária e econômica que o país vive, e que viverá a longo prazo com o “novo normal” somado a este governo ultraliberal de Jair Bolsonaro (sem partido), que visando o lucro dos patrões vai intensificar ainda mais a retirada de direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras e continuar diminuindo o papel do Estado, apontam para os metalúrgicos e metalúrgicas de todo país a necessidade de resistência, da luta contra a crescente desigualdade e por uma inovação na organização sindical. 

Esta foi a afirmação feita pela socióloga, defensora dos direitos humanos e ativista do Movimento de Mulheres Negras, Vilma Reis, e pelo cientista social e ex-diretor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), Clemente Ganz Lúcio, nesta segunda-feira (1º), durante o primeiro dia do Encontro Nacional dos Coletivos da CNM/CUT, que vai até sexta-feira (5) e acontece por videoconferência. 

O debate “A pandemia reforçando desigualdades já existentes - Análise sobre as estratégias sindicais para a defesa da vida”, abriu o Encontro e foi o único momento transmitido ao vivo pela página do Facebook da entidade. O restante dos dias serão somente para os membros dos sete coletivos da CNM/CUT - mulheres, LGBTQI+, juventude, combate ao racismo, de saúde, formação e relações internacionais.

Irresponsabilidade de Bolsonaro e a missão dos sindicatos

Clemente ressaltou a irresponsabilidade do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) em não cumprir as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), no que se refere ao isolamento social como vacina momentânea contra esta pandemia e também em relação aos protocolos responsáveis para a reabertura das atividades econômicas, o que vai levar o país a ser o número um em mortes e desemprego e ser o último na recuperação da economia. Para ele, o movimento sindical deve continuar na defesa da vida e dos empregos, mas lutando pelo isolamento social para preservar a saúde da classe trabalhadora, já que esta pandemia pode não cessar até meados de 2021, até que haja uma vacina para a covid-19, doença causada pelo vírus.

E quando não conseguir, os sindicatos devem estar preparados para um processo educativo com os trabalhadores e as trabalhadoras e até com a sociedade para que aprendam a viver num cotidiano com distanciamento social e com todos os protocolos que impedem que o vírus se propague dentro e fora dos locais de trabalho, já que o governo não fez nada disso.

“A organização da saída do isolamento começa acontecer em vários estados e será preciso pressionar para termos os protocolos, os testes, o treinamento e adaptação nas empresas e no transporte público, como flexibilização nos horários das organizações para não incentivar a aglomeração, e continuar insistindo que isolamento precisa ser respeitado e que precisa ser usado neste tempo para nutrir essas estratégias”.

Agenda do movimento sindical

Para Clemente outra coisa importante em se considerar na ação sindical é buscar reforços com as prefeituras e governos locais na regulação do horário do funcionamento de todo sistema produtivo, comércio, serviços, agricultura, industrias e até repartições públicas para não ter concentração de pessoas.

Outra luta que ele aponta como fundamental, é a defesa da proteção sindical, já que este governo está estudando maneiras de excluir cada vez mais os sindicatos das negociações para que possam arrancar mais direitos e explorar cada vez mais o trabalhador.

E o cientista social disse que é urgente a resistência à essas medidas impopulares do governo e também repensar profundamente a organização sindical para proteger vidas, empregos e ao mesmo tempo uma nova estratégia de desenvolvimento econômico.

O que vai juntar todo mundo

Vilma disse que todos estes atores dos coletivos são fundamentais para que a luta dos sindicatos se fortaleçam numa agenda que é primordial para o país e ainda lembrou a importância dos metalúrgicos e metalúrgicas na redemocratização do país.

Segundo ela, o movimento sindical deve lutar pela revogação da PEC 95, que limitou os investimentos públicos na saúde e educação por 20 anos, a criação de delegacias digitais para denúncias de violência contra mulher e políticas públicas para evitar o feminicídio que aumentou ainda mais com a pandemia e pela vida e pelo direito ao trabalho da população LGBTQI+. 

E, segundo ela, os sindicalistas deverão incluir nas mesas de negociações a defesa da creche integral e noturna, o combate ao racismo institucional e o combate ao assédio moral e sexual nos locais de trabalho o que pode juntar mais gente na luta.

“Essas lutas podem mudar o rumo do país e já estão no horizonte dos coletivos da CNM, mas temos muito o que lutar. É preciso pensar nos desafios que teremos com o pós pandemia e com este governo que está ocupado por senhores da morte com uma luta mais ampla. Assim como quando os metalúrgicos e metalúrgicos ocuparam as ruas em defesa de redemocratização do país no final da década de 1970 e que mostrou a importância dos trabalhadores organizados na luta por justiça social, por empregos e salários”, ressaltou.

Solidariedade e outras pautas da categoria

A socióloga lembrou da importância da solidariedade entre a classe trabalhadora para sair da crise e de outras pautas que devem estar no horizonte da categoria, como as matrizes energéticas, a questão da mineração, a indústria e empregos.

“É fundamental que os metalúrgicos e metalúrgicas lute pela reconversão industrial neste momento de desindustrialização, para além da questão do desenvolvimento do país, mas também para garantir empregos, como já veem fazendo. Mas também é preciso pensar que a gente vai entrar em uma situação de profundo abuso dos empregadores com as novas relações de trabalho e é preciso garantir dignidade, justiça e proteção para classe trabalhadora”, afirmou Vilma.

Quanto maior a luta, melhor fica

Além disso, Vilma apontou também a importância da articulação com os povos da América Latina e Caribe contra o terror do império norte-americano e citou Carlos Marighella para finalizar sua participação no debate.

“Quem não luta já está morto e nós estamos em luta. Trinta mil brasileiros já tombaram nessa pandemia, mas para nós luto é verbo e o verbo é nunca desistir. Temos de lutar até que essa injustiça acabe nem que para isso teremos que enfrentar estes fascistas”, disse Vilma, se referindo ao crescimento dos defensores do autoritarismo aos que pensam diferente e as manifestações em defesa da intervenção militar e contra o STF e o Congresso Nacional.

Objetivo do Encontro

Os objetivos do encontro, que aconteceu pela primeira vez por vídeoconferência, são refletir e construir ações que busquem enfrentar as desigualdades estruturais que assolam mulheres, negros e negras, juventude e a população LGBT, baseados em uma prática de formação libertadora e da defesa da saúde da classe trabalhadora através de estratégias de solidariedade e organização internacional. 

O presidente da CNM/CUT, Paulo Cayres, o Paulão, se solidarizou com os trabalhadores e trabalhadoras que perderam a vida pela covid-19, parabenizou a categoria pelo novo formato do encontro e disse que os sindicatos da entidade, mesmo à distância, não pararam de lutar durante a pandemia.

“Enfrentamos a morte para defender os trabalhadores e sempre foi assim. Quem defende a classe trabalhadora são os sindicatos e sempre com ousadia e muita luta e é assim que continuaremos”, afirma.

“Fazer arminha não vai matar o vírus, o que vai matar o vírus é a ciência, educação e os profissionais de saúde e continuaremos fortalecendo a luta para contribuir que isso tudo passe logo, garantindo vidas e o emprego dos trabalhadores”, finaliza Paulão.

Todos os membros dos coletivos fizeram uma breve saudação na abertura do Encontro. A Secretária de Mulheres, Marli Melo do Nascimento, a Secretária de Igualdade Racial, Christiane Aparecida dos Santos, o Secretário de Formação, José Roberto Nogueira da Silva (Bigodinho), o Secretário de Juventude, Nicolas Sousa Mendes, o Secretário de Relações Internacionais, Maicon Michel Vasconcelos da Silva, o Secretário de Saúde, Ricardo de Souza Ferreira e a Secretária de Políticas Sociais, Kelly Galhardo.

“Estamos vendo que a pandemia explicitou as desigualdades, porque a gente viu quem é a população que perde o emprego, que está precisando do auxílio emergencial de R$600, quem mais sofre com a violência do Estado, quem mais precisa de saúde e quem mais está morrendo com a pandemia. E o debate que faremos neste encontro é importante para discutirmos uma política mais humana para mudarmos a história deste pais”, disse Christiane, que complementou: “Vamos superar tudo isso juntos, vamos derrubar este governo e voltar ao poder, porque nosso governo foi o melhor que esta país já teve. Vamos sair vitorioso deste processo. Fora Bolsonaro!”

Nicolas disse que os dirigentes da CNM vão sair mais fortalecidos deste encontro e poderão se abraçar novamente depois que tudo isso passar.

“Teremos que nos unir e os aprendizados deste encontro nos deixarão mais fortes. Levaremos todo o debate para os sindicatos e federações para a luta em defesa da classe trabalhadora. E quando tudo isso passar, poderemos nos ver e nos abraçar como sempre fizemos”, afirma.

Bigodinho lembrou que os sindicalistas da CUT participaram da 4ª Conferência Nacional de Formação e que debateu o futuro do trabalho, tão importante para este momento.

“Nós discutimos o futuro do trabalho e o avanço da tecnologia, mas não sabíamos que isso tudo ia acontecer tão rápido. O pós pandemia vai exigir muito conhecimento para gente lutar em defesa daqueles que vão retornar para indústria, os que vão ficar no home office e para os que ficarão desempregados por conta da pandemia”, disse.

“A formação passa por todos os coletivos e precisaremos nos alimentar de informação e conhecimento para passar por tudo isso garantido saúde, vida e proteção para classe trabalhadora”, finalizou Bigodinho.


Fonte:  CNM - 02/06/2020


Comentários