Notícia - Indústria 4.0 e as mudanças na relação de trabalho foram temas de encontro que antecedeu o VIII Brics Sindical

A União Geral dos Trabalhadores (UGT) participou, nesta segunda-feira (16), em Brasília, do encontro que reuniu representantes de governo, trabalhadores e empresários dos países do Brics, bloco formado por África do Sul, Brasil, China, Índia e Rússia.

Com tema no presente e o futuro do emprego, o encontro antecedeu o VIII Brics Sindical, que iniciou no dia 17 e reuniu aproximadamente 100 dirigentes dos cinco países.

O evento foi aberto por Sérgio Luiz Leite, o Serginho, presidente do Fórum Sindical do Brics, que destacou a importância de realizar o encontro em um cenário de ofensiva contra direitos sociais e humanos e ataques à organização dos trabalhadores. “As reformas feitas no Brasil são extremamente precarizantes, sem contar as tentativas de desestruturar o movimento sindical”, afirmou.

Outro tema discutido foi o do avanço tecnológico, a chamada indústria 4.0 e os efeitos sob o trabalho e o emprego. A programação do encontro inclui apresentações da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre trabalho inclusivo e seguridade social sustentável. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) fará exposição sobre “liberalização do mercado e o impacto nos mercados de trabalho do Brics”.

Na declaração final do BRICS sindical, chamada “O Futuro do Trabalho, os Direitos Sociais, o Multilateralismo e a importância dos BRICS no contexto global”, as centrais sindicais presentes, em uma série de nove ponderações, reivindicaram, entre outras coisas: “a necessidade do reconhecimento formal do Fórum Sindical do BRICS e que o mesmo passe a constar no calendário oficial” e que “as decisões tomadas no Grupo de Trabalho sobre o Emprego sejam implementadas, especialmente o plano de 3 anos (2019 – 2021) que incluem medidas de coordenar a cooperação entre os parceiros sociais e o desenvolvimento do diálogo social e negociação coletiva, nomeadamente”.


Fonte:  UGT - 19/09/2019


Comentários