Artigo - Eleição reafirma unidade metalúrgica

Os metalúrgicos de nossa base já participaram de eleições sindicais na democracia e na ditadura; com crescimento econômico e na recessão; durante governos progressistas ou sob governos reacionários.
 
Mas a eleição atual, dias 10 e 11 de setembro, será diferente. O País é democrático, mas o governo é autoritário; a recessão é a mais prolongada da nossa história; o desemprego cresce sem parar; os direitos trabalhistas sofrem constantes ataques; a estrutura sindical está enfraquecida por leis nocivas; e, por fim, a tragédia do coronavírus já matou 108 mil brasileiros.
 
Por isso, na condição de membro executivo da Chapa 1, entendo que deve ser uma campanha cautelosa. Cautela nos contatos, observando-se o distanciamento social que a pandemia obriga; cautela nas falas, que devem se concentrar na mensagem da chapa, ou seja, defesa do emprego, da renda e dos direitos; cautela na questão política, pois o trabalhador está desconfiado de tudo que pareça política partidária.
 
Foi feliz a escolha do nome da Chapa 1 - “Metalúrgicos em Ação”, até porque ela mostra que metalúrgico está sempre ativo e também o Sindicato não para de buscar melhorias por empresa, fazer assembleias de PLR ou de firmar acordos coletivos.
 
Nosso Sindicato foi fundado em 30 de abril de 1963. Um ano depois veio o golpe e derrubou o presidente trabalhista João Goulart. O Sindicato recém-criado sofreu intervenção da ditadura, mas tempos depois retomou a autonomia. De lá pra cá, o núcleo formador do Sindicato sempre trabalhou pela unidade da direção, da base e entre direção e base. Poucas vezes tivemos rachas. A unidade tem sido nossa marca forte.
 
A Chapa 1 é encabeçada pelo atual vice-presidente, Josinaldo José de Barros (Cabeça). É metalúrgico experiente, que fez carreira na Borlem, onde se destacou e acabou credenciado  para a direção sindical. O grupo de 24 membros reúne pessoas experientes e gente jovem. Saúdo os jovens que agora chegam à luta sindical.
 
A responsabilidade é enorme. A eleição é em setembro. No mesmo mês, começa a campanha salarial. Portanto, fazer uma eleição participativa significará preparar a base para uma campanha salarial forte. Peço aos associados que participem do processo eleitoral, acessem as redes sociais do Sindicato e mandem mensagens pelo WhatsApp.
 
Indignação - Não poderia deixar de registrar minha indignação ante a violência contra uma menina de 10 anos, estuprada e engravidada por um parente. Deixo também aqui meu repúdio àqueles que foram à porta do hospital não pra pedir justiça e sim agredir a honra de uma criança indefesa.


José Pereira dos Santos
Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região e secretário nacional de Formação da Força Sindical